10/09/2021

Operações contra o tráfico, abordagens e fiscalizações nas rodovias estaduais e pontos sensíveis nas fronteiras e divisas feitas pela Polícia Militar do Paraná contribuíram para o aumento nas apreensões de drogas no Estado no primeiro semestre deste ano.

Segundo o levantamento da Secretaria da Segurança Pública, o comparativo com o mesmo período de 2020 aponta um crescimento de 13,5% nas apreensões de maconha, crack e cocaína. O estudo detalha que entre janeiro a junho deste ano foram apreendidas 134 toneladas dessas drogas, além de 20,3 mil comprimidos de ecstasy e 13,1 mil pontos de LSD (sintéticas). Em 2020, no mesmo período, foram 118 toneladas.

“A interceptação desta grande quantidade de drogas no primeiro semestre é fruto do planejamento integrado e trabalho diuturno das forças de segurança estaduais, e que contam com o apoio das forças federais. A Polícia Militar tem ampliado seu efetivo nas ruas para atuação ostensiva e preventiva”, afirmou o secretário Romulo Marinho Soares.

O relatório aponta a quantidade de drogas apreendidas em cada um dos 399 municípios do Estado. A maconha, assim como em semestres anteriores, foi a mais interceptada nas ações, com 131 toneladas apreendidas, 13,6% a mais do que o mesmo período do ano anterior (115,4 toneladas).

Na Capital também houve apreensão massiva de ilícítos, mais de 2,6 toneladas, incluindo maconha, cocaína e crack. Só de maconha foram retiradas de circulação 2,3 toneladas. De cocaína e crack, 144,77 e 98,27 quilos, respectivamente. Foram apreendidos, ainda, 6.308 comprimidos de ecstasy e 4.044 pontos de LSD.

Algumas cidades da região Oeste do Paraná tiveram aumento expressivo nas apreensões de maconha. O município de Toledo teve a maior, com mais de 17,1 toneladas. Em Foz do Iguaçu, as forças policiais retiram de circulação 13,7 toneladas, e em Cascavel, 8,8 toneladas. Somente em uma abordagem em Santa Helena, no mês de junho, a PM apreendeu mais de uma tonelada, resultado de um trabalho que envolve unidades especializadas nas regiões de mata, nas rodovias estaduais e nas áreas urbanas.

“Foram retiradas das ruas e rodovias paranaenses e, até de outros estados, porque as drogas circulam, grande quantidade de maconha, sem contar cocaína, crack e outras drogas ilícitas. Isso se deve ao trabalho de inteligência da Polícia Militar, à participação dos efetivos especializados e dos regulares”, destacou o coronel Hudson Teixeira, comandante-geral da PM.

COCAÍNA – Ainda segundo os dados, 2 toneladas de cocaína foram impedidas de circular no Paraná de janeiro a junho, aumento de 11% de apreensão na relação com 2020 (1,8 tonelada). Os municípios que tiveram maior apreensão foram Santa Fé (472 quilos) e Umuarama (457 quilos), no Norte e Noroeste do Paraná, respectivamente.

CRACK – Já em relação ao crack, as forças policiais estaduais retiraram de circulação cerca de 558 quilos. No entanto, o número é menor (-28,3%), se comparado ao mesmo período do ano passado, com 779,39 quilos. A cidade de Guaíra, no extremo Oeste, teve a maior quantidade de crack apreendida (132,07 quilos), seguida de Londrina (99,19 quilos).

SINTÉTICAS – As apreensões de drogas sintéticas (ecstasy e LSD) também tiveram aumento no Paraná. De acordo com o relatório, o recolhimento de LSD subiu de 8.812 pontos em 2020 para 13.122 pontos em 2021, crescimento de 48,9%. Já as apreensões de ecstasy caíram 21,6% (de 25.964 comprimidos para 20.348). Fonte: PMPR

Deixe seu comentário