12/01/2022

A ativista trans Renata Borges falou ao Canal 38 nesta segunda-feira (10) e fez duras críticas a administração do prefeito Sebastião Ferreira Martins Júnior, o Júnior da Femac”, principalmente no tocante à assistência materna e social.

“Nós temos hoje aqui em Apucarana uma situação muito desumana; acabou o leite para essas mulheres, para essas mães com essas crianças, que têm intolerância à lactose e a gente tem que entender que a gestão pública tem que ser muito mais humana e aí você pensa assim: se a gestão não consegue nem olhar com olhar humano para uma criança que tem intolerância à lactose com 4 meses de idade, que dirá para as outras causas sociais. Então assim: o quanto é cruel, o quanto é desumana essa gestão e pior que eles não recebem a mãezinha, que eu assisti aqui, pedindo leite. Ela veio desesperada aqui na semana passada na prefeitura e na Câmara conversar com Mauro Bertoli, só que falaram que ele estava viajando e aí a mãezinha encontrou ele ali na porta da prefeitura. Então assim: você vê que a fome e a miséria não tem onde bater para pedir ajuda.

Se bater na Câmara de Vereadores, não vai ser recebida, e se bater na prefeitura não vai passar para o segundo andar porque a secretária do Júnior não vai receber a pessoa. Então há pobreza, há miséria, há o descaso com as crianças, que estão sendo completamente abandonadas pela prefeitura. Uma gestão desumana. A gente tem que bater na porta e eu espero ser recebida. Eu não tenho problema nenhum de como eu vou sair dali da prefeitura, mas o problema é resolver a questão da cirurgia dessa criança com hérnia e a questão da lata de leite para criança que tem intolerância à lactose”, disse Renata Borges. Veja a matéria em vídeo feita pelo repórter Márcio Silvestre para o Canal 38 com a ativista Renata Borges.

Deixe seu comentário