27/03/2021

Um áudio do diretor e representante legal de uma empresa de Londrina para a qual a prefeitura de Apucarana licitou e contratou serviço de roçagem e limpeza de terrenos no município, encaminhado ao Canal 38, revela detalhes escandalizantes de um esquema de corrupção que já foram repassados uma fortuna de dinheiro público, quase meio milhão de reais. No áudio são citados nomes de autoridades municipais e as revelações são muito graves.

Veja reportagem pelo Facebook:

Segundo informações, Paulo dos Reis e seu filho Paulo Fabrício dos Reis, que é servidor público contratado em cargo em comissão no Gabinete do prefeito Júnior da Femac, estão por trás do esquema de corrupção, sendo que ambos já eram ligados ao esquema de roçagem há muitos anos.

Ainda de acordo com as informações, na planilha de roçagem constam informações inverídicas sobre locais que teriam sido roçados, mas que na realidade não foram, razão pela qual pai e filho receberam indevidamente por serviços não realizados. Há também questionamentos sobre a dimensão do total capinado. E, ainda, existem denúncias de cobranças indevidas em locais com residência construídas, onde sequer existe vegetação a ser roçada, mas no carnê do IPTU do imóvel veio debitada taxa de roçagem.

A conta da mulher do servidor Paulo Fabrício dos Reis, ligado ao gabinete do prefeito, também recebeu depósitos, o que deverá facilmente ser constatado em quebra de sigilo bancário, bem como a do pai do servidor e suposto terceirizado Paulo dos Reis, que recebeu dentre os depósitos um recentemente na quantia de R$ 37.545,76, no mesmo dia que a empresa recebeu da prefeitura.

A reportagem do Canal 38 esteve em diversos locais da cidade e constatou as irregularidades dos serviços deixados de serem feitos e cobrados dos contribuintes apucaranenses de forma ilegal.

Veja vídeo e ouça a íntegra do áudio que revela detalhes impressionantes sobre o esquema de corrupção na prefeitura de Apucarana em relação à roçagem de terrenos no município, com o conhecimento do prefeito Júnior da Femac e assessores.

Deixe seu comentário