Funcionária da saúde aplica segunda dose da vacina CoronaVac a uma pessoa idosa na Residencial e Creche para Idosos Solar das Acácias perto de São Paulo, Brasil, 26 de fevereiro de 2021 - Foto: Reprodução/REUTERS / CARLA CARNIEL

10/04/2021

Levantamento divulgado neste sábado (10) mostra que mais de 560 mil pessoas passaram do prazo para tomar a segunda dose da vacina contra a COVID-19. O fenômeno é conhecido como abandono vacinal.

Segundo publicou neste sábado (10) o jornal Folha de São Paulo, mais de 500 mil pessoas não voltaram aos postos de vacinação para receber a segunda dose da CoronaVac. A taxa do chamado abandono vacinal no país chega a 14,13%. No total, 562,2 mil pessoas não retornaram para receber a segunda dose da vacina. Os dados foram compilados a partir da base do DataSUS, o sistema de informações do Ministério da Saúde.

Ainda segundo a publicação, cerca de 70% dos que abandonaram a segunda dose são pessoas com menos de 60 anos, sobretudo profissionais de saúde e indígenas. Outros 20% dos que não tomaram a segunda dose são maiores de 80 anos, enquanto a população entre 60 e 80 anos apresentou a maior adesão ao processo.

O levantamento leva em conta apenas a vacina chinesa da Sinovac, pois o intervalo da aplicação do imunizante da AstraZeneca/Oxford é de 90 dias. Dessa forma, o abandono vacinal do fármaco só poderá ser calculado no final de abril. No caso da CoronaVac, o período é de 14 a 28 dias entre uma dose e outra.

A CoronaVac é a vacina mais utilizada no país, chegando a 80% de todas as doses administradas até o dia 2 de abril, conforme dados compilados pelo cientista de dados Thomas Conti.

​Em alguns estados, o abandono superou a média nacional, passando de 25% em Roraima e no Amazonas. Alagoas e Rio Grande do Norte têm as menores taxas, abaixo de 7%.

Conforme dados do consórcio dos veículos de imprensa, o Brasil vacinou cerca de 22,6 milhões de pessoas com a primeira dose da vacina. No entanto, apenas 6,8 milhões receberam a segunda dose do imunizante. O País vive atualmente o pior momento da pandemia e acumula quase 349 mil óbitos, sendo mais de 3,5 mil apenas na sexta-feira (9).

Deixe seu comentário