Cabo Ana com as mães e os bebês que foram salvos graças ao auxílio da policial militar: ações providenciais - Foto: Reprodução

06/09/2021

Dois bebês que estavam engasgados foram salvos num intervalo de duas semanas em Apucarana, graças a intervenção providencial da Cabo Ana, depois que ela acalmou as mães e repassou pelo fone 190 com serenidade e precisão os procedimentos que deveriam ser adotados para desobstruir as vias aéreas da crianças.

“Moça pelo amor de Deus me ajuda que meu filho está aqui engasgado e eu não sei o que fazer”, disse por telefone Leandra, a mãe da criança. “Quanto tempo ele tem, moça?”, perguntou a policial. “Ele tem 48 dias”, responde a mãe. “Coloca ele de bruço no seu braço. Você tá sozinha?”, perguntou a Cabo. “Eu tô”, disse a mãe. “Tá, coloca ele de bruço no seu braço como o narizinho e a boquinha entre os seus dois dedos da mão. Tenta ficar calma. Ele tá respirando?”, indagou a policial. “Ele tá e começou a chorar”, respondeu a mãe. “Ele vai melhorar, fica tranquila”, disse a Cabo Ana, após perceber que a vida do bebê estava salva, após ter engasgado com a água do banho que era dado pela mãe.

A atendente de emergência, Cabo PM Ana, instruiu a mãe da criança sobre as manobras de desobstrução das vias aéreas, enquanto o atendimento médico não chegava. Tais orientações da policial militar resultaram na retomada da respiração e consciência do bebê.

Enquanto isso, uma viatura policial também foi despachada para auxiliar a mãe. Rapidamente chegaram no local, sendo que a mulher entregou a criança já consciente para as equipes PM e SAMU. Por fim, mãe e filho foram encaminhados para o hospital Materno Infantil, visando realizar mais exames necessários.

Ressalta-se que o atendimento técnico e preciso da Cabo PM Ana, através de suas orientações por telefone e a rapidez na chegada das equipes PM e SAMU, foram fundamentais para salvar a vida deste bebê. Situação idêntica aconteceu 14 dias antes, quando a cabo Ana ajudou a mãe de um bebê de 12 dias de vida. A mãe da criança, Cíntia, ficou desesperada, quando o filho Miguel ficou com as vias aéreas obstruídas, mas na ocasião a cabo Ana também agiu com serenidade e eficiência e ajudou a mãe a desengasgar o filho recém-nascido repassando orientações sobre os procedimentos pelo fone 190, um número que serviu para que um “anjo de farda” pudesse fazer outra intervenção providencial.

Deixe seu comentário