15/06/2021

O presidente Poim mesmo estando à frente do legislativo apenas cinco meses, está se destacando como um dos piores presidente da história de Apucarana, na questão da transparência e liberdade de imprensa.

A liberdade de imprensa é base para todo Estado Democrático. Através dela, o povo exerce seu direito de ser informado e participar da cidadania com consciência sobre a realidade pública.

Vereador Lucas Leugi critica o decreto na Câmara Municipal que proíbe a entrada do público e da imprensa nas sessões do legislativo.

O repórter Márcio Silvestre, do Canal 38, esteve na Câmara de Vereadores de Apucarana para acompanhar a sessão ordinária de segunda-feira (14) à tarde e mais uma vez “deu com a cara na porta”, em razão de um decreto que proíbe a presença de público e da imprensa no plenário. Segundo Silvestre, foi afirmado que essa seria a última sessão do Legislativo Municipal a portas fechadas, mas o decreto proibitivo já foi prorrogado até 1º de julho, evitando assim que o povo saiba o que está acontecendo na Câmara de Apucarana. O vereador Lucas Leugi mais uma vez foi contundente ao comentar a decisão, que tem o efeito de um ato de censura, na opinião de grande parte dos apucaranenses.

“Infelizmente já prorrogaram até 1º de julho e hoje vai para última discussão e votação uma matéria que deixa ainda mais enxuta a função do vereador, principalmente a do vereador que quer mostrar para a população o que realmente está acontecendo aqui na Câmara. Então vamos lá: desde que começaram as reuniões aqui na Câmara este ano, lembrando que começaram em fevereiro, já tiveram alguns decretos da Mesa Executiva para que se restringisse tanto a entrada da imprensa e do público, como também a fala dos vereadores. Agora prorrogou para o dia 1º de julho e o que as pessoas precisam saber é que depois do dia primeiro de julho entra em recesso legislativo. Então quer dizer: se voltar, volta em agosto. Isso é um absurdo; aqui é uma Casa de Leis, a Casa do povo, dos representantes eleitos pelo povo e precisa ter, de fato, a presença das pessoas, mesmo que de maneira limitada ou até mesmo da imprensa, pois é a imprensa que divulga todas as matérias do Legislativo, os conteúdos legislativos. O engraçado é que assim: vocês da imprensa não podem estar aqui, mas aqui dentro tem secretário municipal, tem superintendente, lembrando que o salário de um secretário municipal é mais de R$ 11.700 e o de um superintendente mais de R$ 7 mil. Esse pessoal pode. Por que esse pessoal pode e a imprensa não pode? Qual que é a diferença? O que eles têm de mais bonito? O que eles representam mais do que o cidadão apucaranense que paga seus impostos em dia e tem o seu trabalho e sua atividade remunerada?”, questionou Lucas Leugi.

Veja entrevista:

Deixe seu comentário