08/10/2020

Mandado de prisão contra prefeito de São Miguel do Iguaçu, que está preso, também foi cumprido; investigação aponta que contratos movimentaram cerca de R$ 60 milhões desde 2013.

A Polícia Federal prendeu cinco pessoas e cumpriu 51 mandados de busca e apreensão em São Miguel do Iguaçu e Missal, no oeste do Paraná, na manhã desta quarta-feira (7), em uma operação que investiga fraudes em licitações nas áreas de saúde, limpeza, esporte e cultura.

Segundo a polícia, as investigações apontam que, desde 2013, o esquema teria movimentado cerca de R$ 60 milhões.

Além dos cinco mandados de prisão cumpridos, um dos alvos foi o prefeito de São Miguel do Iguaçu, Cláudio Dutra, que já havia sido preso em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), no dia 23 de setembro, em outra investigação sobre fraudes em licitações e está na Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu (PEF), no oeste.

Segundo as investigações, 25 licitações em serviços de saúde, limpeza urbana, esporte e cultura foram direcionadas com participação de empresas de fachada para favorecer o empresário Charles Zilio.

“O grupo criminoso investigado constituía empresas, a maioria delas de fachada, cujo quadro social era formado por interpostas pessoas, que também estavam associadas ao líderes da organização criminosa. A partir do momento em que o procedimento licitatório era selecionado, o contrato era realizado e no curso desse contrato de prestação de serviços, inúmeras outras fraudes foram praticadas que possibilitaram o desvio de recursos públicos para essas pessoas”, explicou o delegado Adriano Chamme, que coordena a operação.

A defesa de Cláudio Dutra nega que o prefeito seja chefe de uma organização criminosa e disse que pediu ao Tribunal Regional Federal acesso às provas da investigação. Além disso, informou solicitou o habeas corpus para que o prefeito seja liberado da penitenciária.

Conforme o advogado do empresário Charles Zilio, serão tomadas as medidas cabíveis assim que tiver acesso às provas.

51 mandados de busca e apreensão foram cumpridos durante operação — Foto: PF/Divulgação

A PF informou há indícios que inclusive a contratação de serviços para combate à pandemia do novo coronavírus na região foram direcionados.

O proprietário de um laboratório de análises clínicas de São Miguel do Iguaçu foi preso durante o cumprimento de um dos mandados.

A PF informou também que foram cumpridas 44 ordens de afastamento de sigilo bancário e fiscal, além de bloqueio de bens de R$ 20 milhões dos alvos.

A operação foi batizada de ‘Apocalipse’, e 200 agentes atuaram nos cumprimentos de mandados.

Fonte: G1 – Oeste e Sudoeste – RPC.

Deixe seu comentário