10/02/2020

Nas principais vias do Centro como a praça Rui Barbosa é fácil encontrar anúncios de compra de ouro. Douglas Santos da “Ouro e Prata” foi denunciando pelos ladrões à Polícia Civil de Apucarana.

O comércio ilegal de joias sem procedência se transformou numa oportunidade para a comercialização de ouro no Centro de Apucarana. É que a falta de fiscalização favorece a venda de joias, que normalmente são roubadas. A polícia reconhece que as peças são transformadas, rapidamente, em ouro bruto dificultando a identificação.

Nas principais vias do Centro como Praça Rui Barbosa é fácil encontrar homens e mulheres comprando joias em especial ouro. A atividade ocorre sem preocupação alguma com a polícia ou fiscalização.

A oferta de compra acontece até com placas, o interessado em vender o ouro é levado para salas comerciais que ficam em prédios, segundo apurou a reportagem, muitos dos locais são empresas sem autorização para funcionar em compra de joias e ouro. Nesses locais são feitos testes para saber a qualidade do metal e em seguida é fechado o negócio. O valor pago pelo ouro é bem abaixo do mercado. Após a compra, a joia é derretida e o ouro normalmente é vendido para produção de novas joias por joalherias clandestinas.

Um dos comerciantes, Douglas da empresa Ouro e Prata, localizada na Praça Rui Barbosa, já tem diversas passagens pela polícia, ele compra joias roubadas e quando é descoberto pelas vítimas, ele ameaça e exige pagamento de “resgate” para fazer a devolução do produto roubado.

Recentemente a reportagem apurou que duas pessoas que roubaram joias de uma idosa, venderam para Douglas Santos da “Ouro e Prata”, os autores já foram identificados e no último dia 24/01/2020 foram ouvidos pela Polícia Civil de Apucarana e confessaram que venderam os objetos ao suposto comerciante.

 

Deixe seu comentário