20/05/2021

“A comissão já recebeu mais de 1 mil denúncias e a mais grave das recebidas até o momento é sobre situações aqui em Apucarana, sobre uma falsa enfermeira comercializando vacinas até para outros municípios e situação de vereadores que, minimamente, do ponto de vista ético, não deveriam ter sido vacinados na frente das prioridades de idade e de comorbidade”, disse o deputado Michele Caputo, que integra a comissão

Os deputados estaduais que integram a Comissão Especial criada na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) realizam diligência e investigação nesta quinta-feira (20) para apurar possíveis irregularidades na ordem de vacinação contra a Covid-19 e ainda o desvio de vacinas por voluntária da Autarquia Municipal de Saúde (AMS) em Apucarana.

Vão estar em apucarana os deputados Delegado Francischini (PSL), presidente da comissão, Deputado Delegado Jacovós (PL), presidente e vice-presidente da comissão especial da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Arilson chiorato (PT) e o deputado Michele Caputo (PSDB). O Deputado Delegado Francischini e o Deputado Delegado Jacovós (PL) vão conceder entrevista coletiva sobre as investigações na prefeitura de Apucarana, na Praça Centro Cívico José de Oliveira Rosa, nº 25.

após cumprirem a seguinte agenda:

13h30min – Reunião com a Promotora Doutora Fernanda Lacerda Trevisan Silvério (saúde pública)-R. Prof. Erasto Gaertner, 795

14h – Reunião com o Prefeito na Prefeitura Municipal Apucarana

15h – Reunião com Vereador Lucas Leugi que denunciou

15:30 – Oitiva da falsa enfermeira no Fórum

Os parlamentares farão diligências em órgãos administrativos do município, vão se reunir com representantes do Ministério Público, Polícia Civil, e, vão ouvir a falsa enfermeira Silvania Regina Ribeiro Del Conte, que encontra-se recolhida no minipresídio de Apucarana, após ter se apresentada como enfermeira voluntária para a vacinação e ter desviado frascos de vacina. Ela teve a prisão preventiva decretada pelo juiz Osvaldo Soares Neto e confirmou que desviou vacinas que teriam sido aplicadas até em uma família de Mandaguari. A vacinação era realizada na casa de Silvania. Ela vai ser ouvida pelos deputados às 14 horas, no plenário do Tribunal do Júri do Fórum Desembargador Clotário Portugal, após autorização judicial.

“Com tanta gente morrendo, passando fome ou enfrentando uma dura realidade, essas pessoas gastando o dinheiro da saúde e furando fila de vacinação são uma achaque para a sociedade. Nosso objetivo é colher informações para compor o nosso relatório, e ao final, vamos construir uma proposta legislativa que acabe com a possibilidade de se furar a fila. Afinal devemos ter mais vacinações nos próximos anos”, ponderou Francischini.

Para o Delegado Jacovós, a Comissão precisa agir com rigor, pois além dos crimes cometidos por essas pessoas, a conduta é repugnante. “Em um momento de grave crise tanto na saúde como na economia, que atinge toda a população, não podemos aceitar estes indivíduos que se acham melhor que todos, colocando o egoísmo, individualismo e o desprezo pela sociedade que vivem como sua prioridade”.

“A comissão levantou que já estamos com mais de 1 mil denúncias, algumas gravíssimas, próximas de crimes, para serem investigadas pela polícia. Por trás disso há muito interesse, gente querendo lucrar com o imunizante contra a Covid-19. E em Apucarana há denúncia de falsa enfermeira comercializando vacinas até para outros municípios e situação de vereadores que, minimamente, do ponto de vista ético, não deveriam ter sido vacinados na frente das prioridades de idade e de comorbidade; tem uma série de coisas que precisam ser investigadas lá ”, disse o deputado Michele Caputo.

Veja vídeo:

População indignada
O repórter Márcio Silvestre, do Canal 38, saiu às ruas de Apucarana para saber o que a população acha dessa situação de desvio de vacinas pela mulher que se passou por profissional da saúde para desviar vacinas em Apucarana. E a opinião é de total indignação. “Foi maldade e má fé dela e de quem tomou a vacina furando fila, sem pensar nos outros”, disse uma apucaranense.

“Como pode uma coisa dessas? Ela está errada de fazer isso e a Prefeitura em aceitar uma pessoa dessa como voluntária na vacinação”, afirmou outro morador de Apucarana. “É uma falta de consideração. Como vai ficar a saúde do povo? Coisa errada e ilegal e a prefeitura também tem responsabilidade por essa falha em aceitar uma pessoa dessa, que prejudica a população”, criticou outra moradora de Apucarana.

Veja vídeo:

Deixe seu comentário