31/03/2021

Microempresários vão poder negociar com mais tranquilidade a conta de luz com a Copel. A notícia foi dada pela própria concessionária em resposta ao requerimento apresentado no dia 24 de fevereiro pelo deputado Arilson Chiorato (PT).

“É um avanço a Copel reconhecer a necessidade de abrir condições diferenciadas neste momento tão difícil, que atingiu a todos, porém mais aqueles com renda menor”, avalia.

No requerimento, Arilson argumentou que as contas em atraso são decorrentes do impacto das medidas sanitárias restritivas às atividades comerciais, industriais e de serviços que tinham e têm ainda por objetivo conter a proliferação do novo coronavírus (SARS-CoV-2).

“As dívidas contraídas pelos microempresários paranaenses junto a Copel foram decorrentes destas medidas de restrição de suas atividades. Atualmente, a concessionária tem praticado uma política de parcelamento com aplicação de juros que sobrecarregam, de sobremaneira, os empreendedores, com uma taxa de IGPM e mais 0,5% de juros”, explica.

Arilson compartilha parte da resposta da Copel: (…) “informamos que a Copel se sensibiliza com as dificuldades econômicas decorrentes da pandemia e, portanto, flexibilizou condições de parcelamento dos débitos de energia, permitindo que seus consumidores negociem suas dívidas com condições especiais, como flexibilização do valor da entrada e número de parcelas, carência de até 90 dias para o vencimento da 1ª parcela e redução da taxa de parcelamento para 1,00% ao mês (fixa)”.

Deixe seu comentário