19/09/2020

Um homem de 65 anos foi preso pelo crime de falsificação de documentos, na tarde de sexta-feira (18), por investigadores da 17ª Subdivisão Policial de Apucarana, em ação coordenada pelo delegado-chefe, Doutor Marcus Felipe da Rocha Rodrigues.

Com o detido foram encontrados selos falsificados de sinais identificadores de veículos automotores, que o mesmo recebia pelos Correios. Conforme o doutor Marcus, os selos seriam referentes a um caminhão comprado pelo suspeito recentemente. Depois de diligências, foi possível constatar que os sinais identificadores eram falsificados, e que supostamente seriam utilizados em outro veículo de origem ilícita. O homem de 65 anos foi levado para a 17ª SDP, acabou autuado em flagrante e encontra-se recolhido ao minipresídio de Apucarana. As investigações têm sequência com o objetivo de identificar as pessoas responsáveis pela falsificação dos selos remetidos pelos Correios da cidade de São Paulo (cujo endereço a Polícia Civil já apurou ser falso) e outros integrantes da organização criminosa, além de encontrar veículos com sinais identificadores supostamente adulterados.

“Trata-se de mais uma investigação com a colaboração corporativa dos Correios, depois que nós recebemos a informação que um indivíduo estaria recebendo selos falsificados referente a identificação de um veículo automotor. Uma equipe da Polícia Civil então se deslocou até a agência dos Correios na Barra Funda e nós já havíamos identificado este indivíduo. Quando ele deixou a agência dos Correios nós fizemos a abordagem dele para ver se havia alguma coisa irregular. De imediato ele alegou que uma das correspondências não eram dele, só que a correspondência estava com o destinatário com nome dele; então ele já começou mentindo e, voluntariamente, falou: como não é meu, vou abrir para ver do que se trata e assim que ele abriu, a gente viu este selo identificador de um veículo automotor. O homem foi trazido à Delegacia para que a gente pudesse fazer melhor a averiguação e acabou confessando, informalmente, que na verdade ele compra um documento de um caminhão, que de alguma forma não tem mais condições de rodar em razão de acidente, como em casos de destruição por incêndio, enfim um documento de um caminhão que teve perda total e a partir daí ele começa a comprar de São Paulo os sinais identificadores deste veículo, os selos, as plaquetas”, relatou o Doutor Marcus.

O delegado-chefe da 17ª SDP acrescentou que neste caso específico o selo identificador era de um caminhão Scânia. “Depois que ele montava este conjunto documental com o restante dos sinais identificadores, o mesmo fazia a venda deste documento a uma terceira pessoa e esta terceira pessoa nós vamos continuar com as investigações para identificá-la, pois seria essa a pessoa responsável por esquentar algum caminhão furtado, roubado ou até mesmo um caminhão bloqueado. O homem preso foi autuado em flagrante delito pelo prática do crime de falsificação de documento e, na verdade, ele está fazendo uso de documento falso, uma vez que informalmente ele também já confessou que tinha conhecimento que tanto as plaquetas adquiridas em São Paulo quanto estes selos que estavam sendo encaminhados para ele eram falsificados, e estamos diligenciado ainda no intuito de tentar identificar o endereço do remetente, pois já verificamos junto às autoridades de São Paulo e este endereço que consta na correspondência recebida pelo preso não existe, então quem mandou o material de São Paulo ainda não foi identificado”, finalizou o Doutor Marcus.

Veja entrevista completa:

Deixe seu comentário