14/01/2020

Uma menina de 3 anos ficou ferida quando descia a escada rolante de um shopping de Curitiba, localizado no bairro Portão, na última quinta-feira (9).

O primeiro acidente na mesma escada ocorreu em novembro de 2019. (Foto: Montagem/RIC Mais)

A pequena Yasmin de Carvalho precisou levar mais de 15 pontos na perna, depois de ter o membro cortado profundamente.

Segundo Ana Cláudia dos Santos, ela descia junto com a filha quando o acidente aconteceu. “No momento em que tava descendo, já tava quase chegando na metade da escada, a minha filha gritou. Só escutei o grito dela e senti um tranco na escada, como fosse travar, mas ela continuou funcionando. Aí, quando ergui ela, vi o estrago que tinha feito”, explicou.

“A minha reação foi só segurar a perna dela, fechar o ferimento pra não perder muito sangue e corremos atrás de socorro”, desabafou a mãe da criança.

Paulo César de Carvalho, pai de Yasmin, estava um pouco mais abaixo com o irmão da menina, e entrou em pânico ao ver a perna da filha sangrando.“Já começamos a gritar, entrei em desespero, começou a aparecer outras pessoas. Encontram um segurança, mandaram nós correr para o ambulatório, mas nós sentamos no banco e o segurança ficou ali até o bombeiro do shopping chegar. Aí, ele amparou nós até a chegada do Siate”

Yamin foi socorrida pelo Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) e precisou ficar internada, no Hospital do Trabalhador, até este domingo (12).
1º acidente na escada rolante

No dia 9 de novembro de 2019, um menino de 4 anos sofreu um corte de mais de 10 cm na perna na mesma escada rolante. Na ocasião, ele também descia a escada junto com a mãe:

“Ele estava o tempo todo segurando minha mão, de pé, quietinho, na descida. Nós estávamos descendo normalmente e ele gritou ‘ai’ e no que ele abaixou, ele puxou a perninha e na hora que ele puxou eu falei ‘prendeu a sandália’, ele respondeu ‘não’. E quando ele ergueu a mão, eu já vi o sangue”, contou Kelen Busato.

Kelen contratou um advogado para representar a família e evitar que outra criança fosse ferida no mesmo local. À época, João Carlos Farracha pediu que fossem feitas vistorias na escada rolante e, de acordo com ele, um laudo que ficou pronto um dia depois do acidente com a Yasmin comprovou que o equipamento tem vários problemas. Ele irá pedir a interdição da escada.
O que diz o shopping

Em nota, o shopping declarou que lamenta o ocorrido e que presta assistência à família da vítima. A administração também aponta que a escada rolante está com a manutenção em dia, em perfeita condição de uso. Mas mesmo assim, será solicitada uma nova avaliação técnica.

Neste domingo (12), a escada estava interditada e uma placa informava que o equipamento passava por manutenção.

Fonte: Ric Mais

Deixe uma resposta