13/06/2022

Área de 7,4 mil metros quadrados está localizada no Centro Cívico de Maringá, pertence à União e foi cedida ao Estado em regime de utilização gratuita por 20 anos, podendo ser prorrogado por igual período. MP-PR ainda finaliza os detalhes do projeto de construção da sede.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou nesta segunda-feira (13) o contrato de cessão de uso de um terreno de 7,4 mil metros quadrados que vai permitir a construção da nova sede do Ministério Público do Paraná (MP-PR) em Maringá, no Noroeste. A área, localizada no Centro Cívico, pertence à União e foi cedida ao Estado em regime de utilização gratuita por 20 anos, podendo ser prorrogado por igual período.

A reunião, no Palácio Iguaçu, contou com a presença do procurador-geral de Justiça do MP-PR, Gilberto Giacoia, e do o subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Administrativos do MP-PR, José Deliberador Neto. “O Ministério Público é um patrimônio do Estado do Paraná e agora, nesta parceria, poderá erguer uma sede nova em uma cidade tão importante como Maringá. É um avanço estrutural significativo, que vai permitir otimizar e agilizar processos na região”, afirmou Ratinho Junior.

Giacoia destacou que o projeto da nova sede está em fase final de elaboração, ainda sem um orçamento fechado. O planejamento, disse ele, é entregar o MP-PR de Maringá em até dois anos e seis meses. “Houve muito empenho das autoridades governamentais para a cessão deste terreno em uma região nobre de Maringá. O governador reforçou sua visão republicana, de estadista, de respeito às instituições. A cidade merecia uma sede mais apropriada para as instalações do Ministério Público local”, comentou.

O prédio tem área estimada de 2.635 metros quadrados e terá condições de acomodar aproximadamente 120 pessoas. Além de alocar as variadas unidades ministeriais e a Central de Atendimento, contará com salas técnicas e para atendimento ao público, espaços para reuniões e auditório para 50 pessoas.

“Os projetos estão sendo ultimados, há uma programação a ser cumprida, com licitações e desdobramentos. A estimativa é que em até dois anos e meio, se não tivermos a obra pronta, ao menos teremos boa parte dela finalizada”, acrescentou o procurador-geral.

PRESENÇAS – Participaram do evento o deputado federal Ricardo Barros, os deputados estaduais Luiz Claudio Romanelli e Maria Victoria; e o superintendente do Patrimônio da União no Paraná, Jean Paulo Dolinksi.

Deixe seu comentário