17/01/2021

Estudantes terão até as 19h deste domingo para concluir primeira prova.

Os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 impresso terão de dissertar sobre “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”. A redação deve ser do tipo dissertativo-argumentativo, com até 30 linhas, desenvolvida a partir da situação-problema proposta e de subsídios oferecidos pelos textos motivadores. Os critérios de correção da redação estão detalhados em A redação no Enem 2020 – Cartilha do Participante.

O texto dissertativo-argumentativo precisa ser opinativo e organizado para a defesa de um ponto de vista. A opinião do autor deve estar fundamentada com explicações e argumentos. O texto é dissertativo porque disserta sobre um assunto proposto, descreve-o e explica-o. É também argumentativo porque defende uma opinião e tenta convencer o leitor com argumentos.

Correção – As redações do Enem são avaliadas de acordo com cinco competências. A nota pode chegar a 1000 pontos, mas há critérios que conferem nota zero. Na cartilha do participante, estão as razões que podem zerar a nota, como fuga ao tema, extensão total de até sete linhas, trecho deliberadamente desconectado do tema proposto, não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa e desrespeito à seriedade do exame.

Enem – Realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) desde 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio avalia o desempenho escolar ao final da educação básica. A estrutura do exame conta com uma redação e 45 questões em cada prova das quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e matemática e suas tecnologias. As provas do Enem impresso 2020 serão aplicadas em dois domingos, 17 e 24 de janeiro. O Enem digital ocorrerá e em 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Ao todo, o Inep confirmou 5.783.357 inscrições para esta edição.

A área técnica do órgão regulador recomendou a aprovação do uso emergencial das duas vacinas. Os cinco diretores da agência votaram a favor, tornando certa a aprovação do uso das vacinas. A eficácia geral da vacina de Oxford/AstraZeneca é de 70,42%, calculou a agência. O dado considera mais de uma forma de aplicação e intervalo entre doses. No Brasil, com duas doses, a eficácia ficou em 62%. No caso da Coronavac, a eficácia calculada é de 50,39%. Fonte: Agência Brasil

Deixe seu comentário