13/05/2021

A falsa “enfermeira voluntária” atuou na central de vacinação por quase dois meses, aplicando nas pessoas sabe se lá o que.

Segundo as informações obtidas, a suposta “enfermeira” conferia os documentos das pessoas que seriam imunizadas e, ainda, oferecia vacinas para conhecidos via WhatsApp, demonstrando que já havia desviado as doses.

O vereador Lucas Leugi concedeu entrevista ao Canal 38 com denúncia gravíssima que recebeu nos últimos dias. Segundo o vereador, uma senhora já identificada se passava por “enfermeira voluntária” na central de vacinação da COVID-19 no Lagoão, em Apucarana, onde ficou quase dois meses aplicando vacinas. Lucas Leugi foi alertado sobre a situação, mas quando foi até o Lagoão, a mulher não estava mais lá. A referida pessoa, inclusive, oferecia vacinas para conhecidos via WhatsApp e afirmava que se a pessoa não fosse tomar a dose, iria jogar a vacina fora.

Já foi apurado que tal “enfermeira voluntária” não tem inscrição no COREN, que é o conselho regional de enfermagem. Além de aplicar vacinas, ela também conferia os documentos das pessoas que seriam imunizadas, o que facilitava a fraude. A denúncia já foi formalizada por Lucas Leugi no Ministério Público e também será encaminhada para a Assembleia Legislativa. “Continue denunciando. Sua denúncia pode salvar vidas”, frisa o vereador Lucas Leugi.

Após o caso se tornar público, outras pessoas se manifestaram em rede social, denunciando a mesma mulher se tratava de uma farsante, pois ela não está inscrita do COREN e sequer fez curso de socorrista.

Não é possível acreditar que na cidade Apucarana, domicílio eleitoral do atual secretário estadual de Saúde, que sempre acompanha pessoalmente a vacinação, possa ter ocorrido uma situação dessa, uma mulher atuando como “enfermeira voluntária” há quase 60 dias na central de vacinação, aplicando nas pessoas sabe se lá o que.

É necessário que seja feita a identificação do responsável pela contratação da voluntária e que seja investigado se a estelionatária atuava sozinha ou possuía comparsas. Além disso, é importante que seja feito um levantamento de quantos apucaranenses possam ter sido vítimas da falsa enfermeira e, se receberam a dose da vacina ou soro fisiológico, o que pode colocar em risco a vida das pessoas.

Ainda segundo informações, a administração municipal já estaria tentando abafar o caso, como sempre faz quando vêm a público denúncias de irregularidades.

A reportagem do Portal 38 News manteve contato telefônico nesta quinta-feira (13) com a Autarquia Municipal de Saúde (AMS) de Apucarana para saber o posicionamento do secretário municipal de Saúde, Roberto Kaneta, em relação ao caso da falsa enfermeira, mas servidores da AMS informaram que o secretário não se encontrava no local e apenas o prefeito Júnior da Femac poderia falar a respeito do assunto.

1 COMENTÁRIO

Deixe seu comentário