11/01/2022

O prefeito de Guaratuba, Roberto Justus (DEM), publicou um decreto nesta terça-feira (11) que determina estado de calamidade pública por causa dos problemas recorrentes com o ferry-boat.

Desde que a concessão foi assumida pela BR Travessias, em maio do ano passado, problemas recorrentes têm sido relatados na travessia da Baía de Guaratuba pelas balsas. O DER-PR acompanha a situação.

O prefeito Roberto Justus já havia decretado estado de calamidade pública em julho de 2021 após o registro de balsas à deriva.

Na ocasião, além dos frequentes atrasos e filas reclamados pelos usuários, segundo a Prefeitura de Guaratuba, a BR Travessias também não tem garantido a segurança da travessia, com casos de encalhe e de balsas fora do rumo.

Agora, o problema principal são as longas filas para a travessia do ferry-boat, que entre dezembro e janeiro superou as quatro horas em alguns momentos do dia.

O decreto de calamidade pública concede à Prefeitura de Guaratuba o direito de atuar de forma ativa na resolução ou minimização dos problemas.

“Autoriza-se a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem sob a coordenação conjunta da Secretaria Municipal do Urbanismo, Secretaria Municipal da Segurança Pública e da Coordenadoria da Defesa Civil do Município, nas ações de resposta ao iminente risco de desastre em razão do colapso do sistema de transporte aquaviário”, diz trecho do decreto.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Roberto Justus afirma que a situação é insustentável. Segundo ele, o decreto é válido por 30 dias, mas o objetivo é que se discuta o encerramento do contrato com a BR Travessias.

“Não dá mais, a empresa não tem condições de prestar esse serviço”, justificou.

Segundo o prefeito, a decisão sobre a manutenção ou rescisão do contrato cabe exclusivamente ao Governo do Paraná, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que é o responsável pelo projeto de concessão do serviço de ferry-boat em Guaratuba.

Deixe seu comentário