Momento em que testemunha era ouvida em Júri Popular de acusado de assassinar a esposa manicure em Apucarana - Foto: Canal 38

23/06/2022

Thomaz Oliveira de Mello está sendo julgado nesta quinta-feira (23) no plenário do Fórum Desembargador Clotário Portugal, da Comarca de Apucarana, pelo assassinato e ocultação de cadáver da esposa, a manicure Maria Helena de Carvalho, que tinha 28 anos, quando foi morta em setembro de 2019.

O corpo da manicure só foi localizado oito meses após o feminicídio, depois que Thomaz Oliveira de Mello foi preso na manhã de 7 de março de 2020, em São Francisco do Sul (SC), confessou ter cometido o crime e ocultado o cadáver. Maria Helena deixou dois filhos: um menino (de relacionamento anterior) que hoje tem 12 anos e mora com o pai, e uma menina de seis anos que reside com a avó materna. 

Inicialmente o Júri Popular estava previsto para ser realizado em maio, mas foi adiado a pedido da defesa. Thomaz Oliveira de Mello está preso desde março de 2020 em Santa Catarina, onde cumpre pena de 11 anos de prisão por um outro crime, este de tentativa de feminicídio. 

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a manicure Maria Helena de Carvalho foi vista em Apucarana pela última vez no dia 11 de setembro de 2019. A Polícia Civil classificou o caso como um feminicídio e trabalhava há vários meses para localizar Thomas de Oliveira de Melo, que era marido da Maria Helena na época do desaparecimento.

Conforme a Polícia Civil, na noite de 11 de setembro de 2019 o casal se desentendeu. Já no dia posterior a manicure não foi mais vista. As imagens de segurança do prédio onde o casal residia mostraram que, no dia 12, durante a madrugada, Thomas saiu com seu veículo e voltou para o apartamento a pé.

Investigadores apuraram ainda que ele teria deixado o automóvel em via pública na lateral do edifício. O suspeito de feminicídio saiu ao amanhecer com a filha de três anos e com o filho de Maria Helena, um garoto de oito anos fruto de relacionamento anterior.

Imagens de câmeras de segurança apontaram ainda que depois Thomas retornou para o prédio sozinho. Um detalhe chamou a atenção dos policiais civis: entre os dias 13 e 14 de setembro de 2019, ele vendeu alguns móveis do apartamento. Já no dia 15 Thomas saiu com duas malas do edifício e sumiu.

O corpo de Maria Helena só foi localizado em 2 de maio de 2020, no fundo de um poço em uma chácara no Jardim Belvedere, dois meses depois que o marido assassino foi encontrado e preso em São Francisco do Sul, em Santa Catarina, já vivendo com outra mulher. Thomaz confessou o assassinato de Maria Helena e levou a Polícia até o local onde ocultou o corpo. O caso teve ampla repercussão em Apucarana.

O Júri Popular é presidido pelo juiz Oswaldo Soares Neto e na acusação trabalha o promotor de Justiça Eduardo Augusto Cabrini. Já a defesa do réu está a cargo de quatro advogadas.

Veja abaixo o vídeo do Canal 38 quando o réu era levado para Júri Popular no Fórum de Apucarana

 
https://apptuts.bio/canal-38-apucarana


 

 

 

Deixe seu comentário