23/01/2021

O jurista João Batista Cardoso informou que o juiz Gabriel Kutianski Gonzales Vieira, titular da Comarca de Marilândia do Sul, decidiu nesta semana cancelar o júri popular que seria realizado no dia 28 de janeiro, no qual os réus denunciados pelo Ministério Público (MP) por suposta tentativa de homicídio são o contador Luiz Roberto Woidela e Marcelo Garcia Kanof.

O magistrado tomou tal decisão por conta das taxas de mortes e contaminação pela Covid-19 registradas atualmente no Paraná.

Conforme a denúncia do MP, Luiz Roberto seria mandante e Marcelo o executor de uma tentativa de assassinato a tiros contra a então prefeita de Califórnia, Ana Lúcia Mazeto, ocorrida em 22 de novembro de 2012, nas dependências da Associação de Pais e Amigos do Excepcionais (Apae) da cidade.

Ainda segundo o MP, na ocasião foram disparados vários tiros que supostamente teriam como alvo a prefeita Ana Lúcia, mas nenhum projétil a atingiu. No decorrer das investigações e conclusão do inquérito policial, a Promotoria Pública decidiu por oferecer denúncia contra Luiz Roberto Woidela (ex-contador da prefeitura de Califórnia na gestão anterior e suposto mandante do crime) e Marcelo Garcia Kanof (executor) por homicídio na forma tentada.

Em sua decisão de cancelar o júri popular, o juiz Gabriel Kutianski Gonzales Vieira levou em consideração a taxa média de contaminação e mortes por Covid-19 registrada em janeiro de 2021, a maior desde o início da pandemia no Estado do Paraná. O magistrado considerou que não há condições sanitárias seguras para a realização do júri popular. Sendo assim, vai ser designada uma nova data quando houver uma diminuição significativa e controle da taxa de mortes e contaminação pela Covid-19 no Estado.

Deixe seu comentário