16/04/2021

A 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Apucarana, cuja titular é a Promotora Fernanda Lacerda Trevisan Silvério, baixou portaria para apurar situação de suposta conduta, em tese, de assédio moral e de improbidade administrativa que teriam sido cometidas por servidor público que ocupa cargo de chefia na 16ª Regional de Saúde (RS) de Apucarana, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA/PR).

A portaria foi baixada após ofício encaminhado ao Ministério Público (MP) em fevereiro deste ano pelo Sindicato dos Trabalhadores da Saúde (SINDSAÚDE-PR).

A mesma situação já havia sido denunciada por integrantes do SindSaúde-PR ao secretário de Estado da Saúde do Paraná, Beto Preto, no dia 11 de novembro de 2020. Na oportunidade os sindicalistas entregaram a Beto Preto um relatório com denúncias de assédio moral que estariam ocorrendo na 16ª RS de Apucarana e no Complexo Hospital do Trabalhador (CHT).

“Protocolamos dois relatórios robustos, com muitos depoimentos, relatando os casos de violência moral, assim como sobre as repercussões na saúde das servidoras e dos servidores, que pessoas em cargos de chefia estão causando no processo de gestão dessas unidades, gerando inclusive deterioração do ambiente laboral. Entregamos os documentos também para a diretora de Recursos Humanos, Schirley Terezinha Follador” informaram os sindicalistas.

Entre as medidas, foi solicitado o afastamento imediato do servidor efetivo da 16ª Regional e apresentada uma proposta de implantação de um programa de prevenção às práticas de assédio moral, além de organização no local de trabalho que possa fazer o levantamento dos problemas existentes no cotidiano, para que essas questões e outras que interferem nos processos e nos ambientes de trabalho sejam resolvidas por meio do diálogo em cada uma das unidades da SESA.

A reportagem do Portal 38 News recebeu denúncia que o referido servidor seria concursado e, atualmente tem cargo de chefia e seria uma pessoa extremamente ligada e protegida pelo alto escalão da saúde do Paraná.

Diante da gravidade dos fatos existentes, vários servidores procuraram o sindicato SindSaúde-PR e com auxílio fizeram um relatório das condutas irregulares do acusado e entregaram o relatório junto a uma denúncia e pedido de investigação e resolução do problema para o Ministério Público, para a própria Secretaria de Saúde e a chefe geral do RH, bem como a diversos outros órgãos de controle.

Segundo informações obtidas, a secretaria de saúde não tomou nenhuma providência efetiva para apurar as graves denúncias de assédio na 16 RG de Apucarana. No entanto, agora com a portaria baixada pelo Ministério Público (MP) da comarca de Apucarana, o caso será devidamente apurado.

Deixe seu comentário