16/09/2020

Uma moça que procurou assistência na Unidade de Pronto de Atendimento de Apucarana (UPA) ainda no último final de semana ao sentir muita dor por conta de uma agulha que está se movimentando dentro do seu corpo concedeu entrevista ao Canal 38, na terça-feira (15), para reclamar do que ele classifica como descaso e reivindicar seu direito constitucional de acesso à Saúde Pública.

“Vim no sábado, no domingo aqui com uma agulha dentro de mim e falaram na UPA que não era nada, mesmo após ser avaliada por dois médicos. Não sei como essa agulha entrou no meu corpo e sinto muita dor; fiz exame particular que constatou realmente a presença da agulha dentro de mim e ela está se movimentando, mas não tenho como pagar tratamento particular. Estou com muita dor e eles não me atendem logo e ainda falaram que eu estava doida; tenho meus direitos e não querem me atender logo; não aguento mais de dor”, disse a moça que está com a agulha no corpo, conforme atestam radiografias. A UPA ainda não se manifestou sobre o caso.

Deixe seu comentário