28/03/2021

A 4ª Promotoria Pública da Comarca de Apucarana, através do Promotor de Justiça Dr. Eduardo Augusto Cabrini, recentemente baixou portaria para instauração de Inquérito Civil Público com o objetivo de apurar possíveis irregularidades na roçagem de terrenos sob responsabilidade da Prefeitura de Apucarana, após várias matérias divulgadas pelo portal 38 News e Canal 38, com farto material e até um áudio que revelam detalhes escandalosos sobre o esquema de corrupção e desvio de quase meio milhão de reais de dinheiro público.

De acordo com a denúncia do Portal 38 News, na planilha de roçagem constam informações inverídicas sobre locais que teriam sido realizado os serviços, mas que na realidade não foram, razão pela qual os suspeitos recebiam indevidamente. Há também questionamentos sobre a dimensão do total capinado. E, ainda, existem denúncias de cobranças indevidas em locais com residência construídas, onde sequer existe vegetação a ser roçada, mas no carnê do IPTU do imóvel veio debitada taxa de roçagem, bem como outras centenas de contribuintes podem ter sidos lesados com cobranças indevidas.

A administração municipal de Apucarana além de não tomar nenhuma providência, após o Portal 38 News divulgar as denúncias de irregularidades na roçagem na cidade, passou a acatar as reclamações dos contribuintes que tiveram cobranças irregulares, desta forma, materializando tais irregularidades e o prejuízo aos cofres públicos, sem que nenhuma providência legal fosse tomada. E o servidor acusado de participar do esquema de corrupção, continua no gabinete do prefeito.

O vereador Lucas Leugi já cobrou duramente o prefeito de Apucarana, Júnior da Femac, sobre a falta de providências em relação a denúncias de corrupção no trabalho de roçagem de terrenos na cidade, que foi terceirizado pela administração municipal, mas teve um pedido de informações arquivado pelo presidente da Câmara, Poim.

“O prefeito Júnior da Femac não tomou atitude, não teve coragem de instaurar uma sindicância para investigar mesmo com provas divulgadas na imprensa, não fez nada e quem sabe de irregularidades e não faz nada é conivente”, frisou Lucas Leugi.

2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pelo papel que o Canal 38 têm prestado, como órgão e reportagens investigativas na Comarca de Apucarana ao mostrar as mazelas aprontadas no Executivo e no Legislativo, a quem caberia fiscalizar a queima do dinheiro público, e no entanto entra no abuso também. A 4a Promotoria Pública da Comarca de Apucarana deve estar necessitando fazer muitas horas extras para dar conta de levantar os absurdos cometidos pelos órgãos públicos diz Município.acguima

Deixe seu comentário