14/10/2021

A Promotora de Justiça Fernanda Lacerda Trevisan Silvério ouviu nesta quinta-feira (14) testemunhas do caso da ‘falsa enfermeira” Silvânia Regina Ribeiro Del Conte, que desviou doses de vacina contra a Covid-19 em Apucarana e teria participação em esquema de “fura fila”.

Na sexta-feira (15) serão realizados mais interrogatórios de envolvidos no caso da ‘falsa enfermeira’ e 12 pessoas que supostamente teriam sido beneficiadas com aplicação de vacinas em esquema de ‘fura fila’.

O processo do servidor público afastado envolvido no caso, Luciano Pereira (chefe do setor epidemiológico da Autarquia Municipal de Saúde (AMS), foi desmembrado do caso. Na quarta-feira foram ouvidas testemunhas de acusação, mas algumas não compareceram e a promotora insistiu na oitiva das mesmas.

O juiz Oswaldo Soares Neto desmembrou o processo em relação ao servidor público, o processo dele, que é defendido pelo advogado Sérgio Luiz Barroso, vai tramitar separadamente. Já em relação a Silvânia Regina Ribeiro Del Conte e os demais denunciados a instrução do MP deve ser finalizada na sexta-feira (15) para posterior alegações finais e seguida da sentença. A ‘falsa enfermeira’ foi presa no dia 15/05 deste ano.

Denúncias do vereador Lucas Leugi

Após denúncia do vereador Lucas Leugi ao MP sobre irregularidades na vacinação contra a Covid-19 em Apucarana, a Polícia Civil apreendeu na tarde do dia 15 de março algumas ampolas de vacinas contra Covid-19 na casa da falsa enfermeira suspeita de ter desviado o imunizante da rede pública de saúde para vender as doses. Na casa da mulher, que se passava como técnica em enfermagem, foram apreendidos também carteirinhas de vacinação, celulares e seringas.

A mulher foi presa por policiais civis e levada a 17ª Subdivisão Policial de Apucarana. O mandado de busca e apreensão na casa da detida apreendeu vacinas e atendeu a pedido do Ministério Público, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Apucarana.

É importante ressaltar que a administração municipal tentou classificar na época o caso da “falsa enfermeira” como “boatos” , tentaram ludibriar o povo, dando a entender que a mulher farsante não aplicava vacinas, o que acabou sendo desmentido.

Deixe seu comentário