19/01/2021

Quando se fala que a Saúde Pública de Apucarana vai mal, na contramão do que deveria acontecer, isso ocorre porque muitas pessoas estão sofrendo, por conta de exames e consultas que ficam parados de 2 a 3 anos até serem realizados.

Uma testemunha, entre várias, dessa situação é a dona Adélia, que mora na Rua Gastão Vidigal, no centro da cidade. Ela foi entrevistada pelo repórter Marcio Silvestre, do Canal 38, e reclamou que ficou sofrendo de dor durante um ano e o pessoal da Saúde Pública não dava encaminhamento para o seu caso.

A apucaranense conta que teve de pagar para fazer a biópsia fora da cidade. “Fui para Londrina e saiu o resultado dizendo que estava com a úlcera inflamada e agora estou com o exame de vista marcado há um ano e explicam que precisa de uma ordem vinda não sei da onde e também dizem que tem pessoas lá dentro da UPA que passam os amigos na frente das pessoas que precisam de exames; toda vez que vou na UPA sou maltratada. Se não tivesse dinheiro para pagar o exame eu já tinha morrido”, frisa dona Adélia.

O problema da longa e demorada fila de espera para consultas e exames com médicos especialistas na Saúde Pública de Apucarana que vem causando sofrimento à população menos favorecida há anos no município. Inclusive familiares de pessoas que precisavam de tratamento como pneumologista, neurologista e outras especialidades médicas chegaram a procurar o Ministério Público para denunciar a situação de penúria na Saúde Pública. Veja a matéria completa feita pelo repórter Marcio Silvestre em vídeo para o Canal 38.

Deixe seu comentário