15/05/2021

Último informe da equipe que acompanha o prefeito de São Paulo, que luta contra um câncer, afirma que ele está acompanhado da família no hospital Sírio Libanês recebendo analgésicos e sedativos.

Internado com câncer no hospital Sírio Libanês, o quadro do prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), é considerado “irreversível” pela equipe médica, segundo o último boletim divulgado na noite desta sexta-feira. De acordo com médicos, ele se encontra no quarto acompanhado de familiares recebendo analgésicos e sedativos. O quadro de Covas, que está internado desde o dia 2 de maio, teve uma piora nesta sexta e passou a ser considerado muito grave pela equipe médica, segundo informações iniciais da TV Band.

O prefeito se licenciou do cargo no último dia 2 para tratar da metástase. No dia seguinte foi submetido a uma “intubação oro-traqueal” na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Sírio Libanês, mas foi extubado no dia seguinte.

O primeiro diagnóstico é de outubro de 2019, quando detectaram um câncer na cárdia (ligação entre o esôfago e o estômago). Sem se afastar do cargo e sendo transparente sobre sua doença, o tucano chegou a dormir por quase três meses na prefeitura durante o início da pandemia, como relatou à repórter Marina Rossi, para diminuir as chances de contágio pela doença e continuar ativo no cargo público. Foi infectado pela covid-19 em junho de 2020, da qual se recuperou rapidamente.

Uma melhora em seu quadro clínico o permitiu concorrer e vencer as eleições municipais em novembro de 2020, derrotando Guilherme Boulos (PSOL) no segundo turno. Foram oito sessões de quimioterapia até fevereiro, quando informou que a doença voltou a piorar —se espalhou para o fígado e os ossos de Covas. Foi internado no dia 15 de abril, para um novo tratamento de quimio e imunoterapia, e teve alta no dia 27. Na terceira vez em que foi internado, em 2 de maio, decidiu se licenciar da Prefeitura.

Deixe seu comentário