17/02/2021

O prefeito de Apucarana, Júnior da Femac, que tem como guru político o ex-alcaide e atual secretário estadual da Saúde Beto Preto, conseguiu causar indignação nos deputados estaduais do Paraná, inclusive na mesa diretora da Assembleia Legislativa (Alep), ao determinar que a Secretaria Municipal da Promoção Artística, Cultural e Turística vetasse a realização de audiência pública do pedágio no Cine Teatro Fênix, no dia 26 em Apucarana, da qual vão participar deputados que integram a Frente Parlamentar do Pedágio da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

A alegação era de que tal proibição se devia ao fato “que os serviços de locação e concessão do auditório encontravam-se indisponíveis nesse momento em razão da pandemia de Covid-19″. A resposta da secretaria da prefeitura de Apucarana a ofício encaminhado pelo deputado Arilson Chiorato (PT) solicitando o espaço para a realização da audiência foi encaminhada na terça-feira (16) ao parlamentar, negando permissão para a mesma ser realizada Cine Teatro Fênix, veja cópia:

Mas após ampla repercussão negativa e muita pressão, o prefeito Júnior da Femac voltou atrás, entrou em contato com o presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano, e disse que “tudo não passou de um equívoco, e que o local estará disponível para realização da audiência pública da Frente Parlamentar”. Essa informação sobre o contato de Júnior com Ademar Traiano foi repassada ao portal do Canal 38 no início da tarde desta quarta-feira (17) pelo deputado Luiz Claudio Romanelli, primeiro secretário da Alep.

Outra versão e negativa de Poim
O prefeito Junior da Femac também teria dado outra versão para a negativa a outro deputado, dizendo que o Cine Teatro estaria ocupado. Já o presidente do Legislativo Municipal, vereador Poim, alegou os mesmos argumentos da Prefeitura ao deputado Arilson à solicitação do uso do prédio da Câmara Municipal para o evento, afirmando que a Casa de Leis “estaria indisponível neste momento em razão da pandemia de Covid-19”.

Além de negar o uso do prédio do município, foi divulgado de forma contraditória, o mesmo local e para tratar do mesmo tema para reunião preparatória sobre discussão do pedágio nesta quinta-feira (18/02), como consta na página oficial da Prefeitura de Apucarana no Facebook. No texto, a Prefeitura convida lideranças locais para discutir o assunto nesta quinta e para uma segunda reunião, que está marcada para o dia 24, dois dias antes da audiência pública agendada pela Frente Parlamentar do Pedágio da Assembleia Legislativa, com técnicos do Ministério da Infraestrutura e Logística. A segunda reunião contará com a participação do secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, e do gerente de assuntos estratégicos da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), João Arthur Mohr. Veja link: http://www.apucarana.pr.gov.br/site/prefeitura-promove-reuniao-preparatoria-para-discutir-nova-concessao-do-pedagio/

Já audiência pública do pedágio, realizada pela Frente Parlamentar do Pedágio da Alep, tem ocorrido em várias cidades paranaenses para debater o assunto com a comunidade. Dia 26 de fevereiro, sexta-feira da próxima semana, o debate será em Apucarana. Por conta da resposta ao ofício do deputado Arilson Chiorato, a audiência foi remarcada para ocorrer no auditório da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), campus de Apucarana, isso após a Prefeitura de Apucarana negar o pedido de uso do Cine Teatro Fênix para a Frente Parlamentar, formada por 30 deputados, dos 54 que compõem a Alep.

O deputado Arilson Chiorato (PT), coordenador da Frente do Pedágio, argumentou que em todos os locais que a audiência pública foi realizada, as orientações da saúde para prevenção de covid-19 foram seguidas à risca. “A audiência pública do pedágio é um ato democrático e em defesa da população paranaense, que corre seriamente o risco de ser penalizada por mais 30 anos com pedágio caro e ineficiente. A proposta do Ministério da Infraestrutura e Logística chega a ser vergonhosa, porque propõe 15 novas praças, como uma em Califórnia e mais 800 km de rodovias pedagiadas”, observa. Assim como foi vergonhosa a atitude inicial de desrespeito do prefeito de Apucarana, Júnior da Femac, com os 30 deputados estaduais do Paraná que integram a Frente Parlamentar do Pedágio da Alep.

Indignação e pedido de desculpas
Os deputados Tercílio Turini (Cidadania), 1º vice-presidente da Alep, e Michele Caputo Neto (PSDB) manifestaram indignação com a primeira decisão de Júnior da Femac em vetar o Cine Teatro Fênix para a audiência do pedágio no dia 26. Já em pronunciamento durante a sessão plenária desta quarta-feira (17), o deputado Arilson Chiorato pediu desculpas aos integrantes da Frente do Pedágio como apucaranense. “Peço desculpas não como parlamentar, mas como apucaranense a todos os deputados pela pequenez do ato, que pode representar a postura do dirigente local, mas jamais representa a preocupação do povo de Apucarana com a questão do pedágio. Com certeza, Apucarana e todo Vale do Ivaí quer discutir o novo pedágio”, afirmou Chiorato, antes da decisão do prefeito de Apucarana, Júnior da Femac, de voltar atrás em sua atitude de vetar a realização da audiência pública do pedágio no Cine Teatro Fênix.

Veja a fala dos deputados:

 

Deixe seu comentário