30/08/2021

A Prefeitura de Apucarana divulgou aviso de pregão eletrônico Nº 121/2021 para contratação de empresa com a finalidade de executar serviços gerais de limpeza geral, capinação, roçagem poda de gramas e varrição nos cemitérios municipais, nas capelas mortuárias e sede da Autarquia de Serviços Funerários de Apucarana (Aserfa).

O pregão eletrônico está marcado para às 9 horas do dia 16 de setembro, na plataforma eletrônica www.bll.org.br. O valor máximo estimado R$ 343.867,56 (trezentos e quarenta e três mil oitocentos e sessenta e sete reais e cinquenta e seis centavos)

O edital estará disponível no Diário Oficial do Município: www.apucarana.pr.gov.br (Diário Oficial – Licitações- Prefeitura) ou no Portal da Transparência, a partir do dia 31/08/2021. Esclarecimentos: licitaçã[email protected] Município de Apucarana, 27 de agosto de 2021.

A divulgação do agendamento de mais este pregão eletrônico da Prefeitura de Apucarana leva a questionamentos sobre a forma como vêm ocorrendo os gastos do dinheiro público no município. No caso da Aserfa, por exemplo, a própria Autarquia já tem um quadro de pessoal efetivo e comissionado que poderia realizar tais serviços sem a necessidade da contratação de uma empresa terceirizada para tal finalidade, com custos adicionais a já onerada folha de pagamento.

Vale lembrar que recentemente chegaram informações ao conhecimento da redação do portal 38 News dando conta que trabalhadores de uma empresa terceirizada contratada pela Aserfa/Prefeitura municipal receberam seus salários atrasados “num passe de mágica” mesmo sem a empresa ter certidões, após reportagem do portal 38 News sobre o atraso nos pagamentos.

Uma outra informação gera perplexidade: porque a administração municipal faz vista grossa para empresa que não paga seus funcionários e em casos que sequer são registrados ou recebem todos seus direitos trabalhistas?

Essa é mais uma das várias situações que, supostamente, levantam suspeições sobre atos da atual administração municipal de Apucarana, como no caso das “roçadinhas” de terrenos que é alvo de investigação do Ministério Público , entre outras situações questionáveis.

Deixe seu comentário