22/09/2021

A 4ª Promotoria Pública da Comarca de Apucarana, na pessoa do Promotor de Justiça Eduardo Augusto Cabrini, baixou portaria para a instauração de Inquérito Civil Público visando apurar possíveis irregularidades na contratação de empresa terceirizada para a realização de serviços gerais de roçagem no município de Apucarana.

Várias matérias do Portal 38 News e do Canal 38 denunciaram irregularidades na roçagem de terrenos em Apucarana, como superfaturamento, cobrança por serviços não realizados e outras ilegalidades que podem ser constatadas em análise das planilhas de serviços executados e pagamentos feitos pela Prefeitura de Apucarana, em um grande esquema de corrupção com a suposta conivência de autoridades do Poder Público Municipal.

O vereador Lucas Leugi já cobrou duramente o prefeito de Apucarana, Júnior da Femac, na Câmara de Vereadores sobre a falta de providências em relação a denúncias de corrupção no trabalho de roçagem de terrenos na cidade, que foi terceirizado pela administração municipal. “Mesmo assim o prefeito Júnior da Femac não tomou atitude, não teve coragem de instaurar uma sindicância para investigar mesmo com provas divulgadas na imprensa, não fez nada e quem sabe de irregularidades e não faz nada, é conivente ou participou. Juntei provas para levar ao Ministério Público e solicitei aos vereadores em requerimento que fosse instaurada a “CPI da Roçadinha”, para apurar o suposto desvio de dinheiro público num processo licitatório que envolve pai e filho”, disse Lucas Leugi. A iniciativa teve apoio apenas do vereador Moisés Tavares, os demais vereadores fugiram do assunto. E na contramão da transparência o presidente da Câmara, vereador Poim, arquivou o requerimento de Lucas Leugi com pedido de informações ao prefeito Junior da Femac. Aliás, Poim não tem demonstrado qualquer preocupação com a opinião pública ao simplesmente ignorar e arquivar denúncias de irregularidades da administração municipal na Câmara.

Um áudio do diretor e representante legal da empresa para a qual a prefeitura de Apucarana licitou e contratou serviço de roçagem e limpeza de terrenos no município, encaminhado ao Portal 38 News, revela detalhes escandalizantes de um esquema de corrupção através do qual já teria sido desviado muito dinheiro público. No áudio são citados nomes de autoridades municipais e as revelações são muito graves, envolvendo o núcleo do poder assessor direto do prefeito municipal. E nesta semana o Promotor de Justiça Eduardo Augusto Cabrini falou ao repórter Márcio Silvestre, do Canal 38, sobre o andamento da investigação.

“Assim que a gente teve conhecimento a respeito destes fatos foi instaurado o procedimento na Promotoria de Justiça para apuração. O procedimento está praticamente concluído, só falta ouvir um dos investigados ainda e já foram colhidas as provas documentais e testemunhais (prova oral) e nos próximos dias a gente deve concluir o procedimento para verificar e ver se houve algum tipo de irregularidade ou não. E se houve, qual teria sido a irregularidade eventualmente cometida, seja pelo agente público ou seja pelo agente particular. Isso a gente ainda está em fase de investigação. É muito prematuro a gente já ter uma conclusão do que aconteceu; a gente ainda precisa analisar e verificar se houve essa irregularidade e se aconteceu, qual teria sido o valor do prejuízo que teria sido causado. Vamos aguardar a conclusão nos próximos 20/30 dias e aí a gente vai conseguir chegar a uma análise do que realmente aconteceu. A sensação de gratidão é do Ministério Público no sentido de dar satisfação, explicar à sociedade o trabalho do Ministério Público e dar uma resposta do trabalho que a gente está fazendo justamente à população, que é o destinatário do nosso serviço”, disse o promotor Eduardo Augusto Cabrini.

O prefeito Junior da Femac está indiferente quanto as denúncias da suposta corrupção da “Roçadinha” na administração municipal e age de forma alheia a opinião pública ou mesmo da Justiça. Além de não demitir o assessor cargo comissionado, principal suspeito das supostas irregularidades, ainda o trouxe para mais próximo de sua companhia, tornando o homem forte do prefeito, participando de eventos ao lado do chefe do Executivo municipal, em certos momentos até constrangendo servidores municipais.

Todos os políticos, por maior que seja o cargo ocupado, devem sim, satisfação à população e ainda mais a Justiça, pois caso comprovada as denúncias de corrupção eles podem ser responsabilizados e até afastados, como ocorreu recentemente com um prefeito da região.

Veja entrevista completa:

 

 

Deixe seu comentário