20/11/2020

Promotorias de justiça de Apucarana tem avaliação positiva em correição, onde os serviços estão rigorosamente em dia, não tendo sido constatado nenhum tipo de irregularidade.

A cada três anos a corregedoria do Ministério Público (MP) faz uma avaliação dentro de cada comarca do serviço de todos promotores.A última que teria ocorrido foi em 2017 e este ano estava agendada outra, como de fato ocorreu no dia 18. “Normalmente essas correições são realizadas de forma presencial; vem toda equipe da corregedoria para analisar os serviços do promotores; esta correição, esta análise é feita tanto na questão da qualidade do serviço e da pontualidade do serviço de cada um dos promotores e após é feito um relatório individual de cada uma das promotorias, ou seja, como foi encontrado, como foi sob a ótica da corregedoria e nesta semana foi realizado de forma virtual”, afirmou o promotor.

Segundo o doutor Eduardo Cabrini, isso é exatamente possível pelo fato de hoje em dia os processos serem virtuais. “Foi um situação excepcional essa correição virtual, uma vez que com o aumento da incidência da propagação do vírus do Covid-19 então pactuou-se o serviço, foi realizada dia 18 a fiscalização e nos próximos dias nós vamos receber a avaliação do corregedor geral. O fato é que em uma conversa de antemão foi verificado que os serviços estão rigorosamente em dia em Apucarana, é satisfatório”, ressalta o promotor.

De acordo com o doutor Eduardo Cabrini, a corregedoria analisa os processos que eventualmente estão atrasados em caso de excepcionalidade e dão um prazo para colocar o serviço em dia. ”Mas aqui em Apucarana os processos estão rigorosamente em dia, mas dependendo da situação, pode ser instaurado um procedimento administrativo contra o promotor caso seja apurado que aconteça uma desídia, alguma coisa neste sentido, o que volto a dizer, não é o caso de Apucarana, onde os serviços estão rigorosamente em dia, não tendo sido constatado nenhum tipo de irregularidade neste sentido”, completa o promotor doutor Eduardo Augusto Cabrini.

Deixe seu comentário