15/01/2020

Regionalmente, a maior parte (16) das 27 unidades da federação assinalou retração no volume de serviços em novembro de 2019, na comparação com o mês imediatamente anterior.

Entre os locais que apontaram resultados negativos nesse mês, destaque para Mato Grosso (-5,7%), Minas Gerais (-1,1%), Pernambuco (-3,0%), Santa Catarina (-1,8%) e Espírito Santo (-3,5%). Em contrapartida, os principais resultados positivos em termos regionais vieram de Rio de Janeiro (0,8%) e do Distrito Federal (0,9%).

Na comparação com igual mês do ano anterior, o avanço do volume de serviços no Brasil (1,8%) foi acompanhado por apenas 13 das 27 unidades da federação. As principais contribuições positivas ficaram com Rio de Janeiro (10,2%) e São Paulo (1,8%), com ambos apontando crescimento em quatro dos cinco setores investigados, com destaque para os serviços de informação e comunicação. Em comum, observou-se a retração do setor de transportes nos dois estados, pressionados pelo menor desempenho do modal rodoviário de carga. Por outro lado, a influência negativa mais importante para a formação do índice global veio do Mato Grosso (-13,2%), que registrou queda em três dos cinco setores pesquisados, com destaque para as perdas vindas de transporte de cargas (rodoviário e de navegação interior) e de concessionárias de rodovias.

No acumulado de janeiro a novembro de 2019, frente a igual período do ano anterior, o avanço do volume de serviços no Brasil (0,9%) se deu de forma concentrada entre os locais investigados, já que apenas 12 das 27 unidades da federação também mostraram expansão na receita real de serviços. O principal impacto positivo em termos regionais ocorreu em São Paulo (3,2%), seguido por Santa Catarina (1,3%), Amazonas (3,4%) e Mato Grosso do Sul (3,4%). Por outro lado, Rio de Janeiro (-1,2%), Paraná (-2,2%) e Mato Grosso (-6,6%) registraram as influências negativas mais relevantes sobre o índice nacional.

Índice de atividades turísticas recua 1,9%

Em novembro de 2019, o índice de atividades turísticas apontou retração de 1,9% frente ao mês imediatamente anterior, após registrar duas taxas positivas seguidas, período em que acumulou ganho de 6,9%.
Regionalmente, oito das doze unidades da federação acompanharam este movimento de queda observado no Brasil, com destaque para os recuos vindos de Rio de Janeiro (-4,0%), São Paulo (-1,1%) e Pernambuco (-7,0%). Em sentido contrário, o principal resultado positivo veio do Ceará (2,6%).

Na comparação com novembro de 2018, o índice de volume de atividades turísticas no Brasil apresentou expansão de 3,8%, impulsionado, principalmente, pelo aumento de receita das empresas de locação de automóveis. Em sentido oposto, o segmento de transporte aéreo de passageiros apontou a principal influência negativa sobre a atividade turística.

Em termos regionais, sete das doze unidades da federação onde o indicador é investigado mostraram avanço nos serviços voltados ao turismo, com destaque para São Paulo (5,8%), seguido por Rio de Janeiro (4,8%), Minas Gerais (4,2%) e Rio Grande do Sul (5,8%). Em contrapartida, os impactos negativos mais importantes vieram de Pernambuco (-6,4%) e do Paraná (-4,1%).
No indicador acumulado de janeiro a novembro de 2019, o agregado especial de atividades turísticas mostrou crescimento de 2,6% frente a igual período do ano passado, impulsionado, sobretudo, pelos ramos de locação de automóveis, de hotéis e de serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada. Por outro lado, o principal impacto negativo ficou com o segmento de transporte aéreo de passageiros.
Regionalmente, nove dos doze locais investigados também registraram taxas positivas, com destaque para São Paulo (5,1%), seguido por Rio de Janeiro (2,3%), Minas Gerais (2,5%) e Ceará (5,4%). Já o Distrito Federal (-6,8%) e os estados do Paraná (-3,4%) e Santa Catarina (-2,5%) assinalaram as principais influências negativas no acumulado do ano para as atividades turísticas.

Dados do Paraná

Com relação à receita nominal de serviços, o índice da receita variou conforme abaixo:

Tabela 6442 – Índice e variação da receita nominal e do volume de serviços (2014 = 100)
Variável – Índice de receita nominal de serviços (%)
Unidade da Federação – Paraná
Mês – novembro 2019
Tipos de índice
Variação acumulada no ano (base: igual período do ano anterior)
Variação acumulada de 12 meses
1,5
1,6
Fonte: IBGE – Pesquisa Mensal de Serviços

Deixe uma resposta