22/09/2020

O vereador Rodolfo Mota (PSL) usou a palavra durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Apucarana, realizada na tarde de segunda-feira (21), para criticar um processo licitatório da Prefeitura de Apucarana que está em andamento com a finalidade de contratar uma empresa prestadora de serviço especializado para execução de projetos de trabalho social por R$ 470 mil no Residencial Fariz Gebrin, cujas 520 unidades habitacionais sequer foram entregues à população, isso após vários anos de obras e paralisações, com expressivo volume de dinheiro público já gasto no projeto.

O vereador frisa que esse serviço seria de atribuição da própria Secretaria Municipal de Assistência Social, sem necessidade de contração de uma empresa, com gasto extra de dinheiro público.

Mota citou de forma pontual a previsão no edital de licitação, autorizado pelo prefeito, do dispêndio de dinheiro público para comprar até material de escritório para a empresa vencedora da licitação, além de 5 mil lanches no valor total de R$ 65 mil para os funcionários da referida empresa, ressaltando que esse trabalho seria atribuição da Assistência Social do município, sem a necessidade de contratação de uma empresa para tal.

“Isso gerou espanto porque o edital fala que a empresa vencedora da licitação tem que arcar com esses custos e o dinheiro público deveria ser gasto com responsabilidade. Além disso e, principalmente, a Secretaria Municipal da Assistência Social tem a função de fazer esse trabalho; se não dá conta de fazer é porque a gestão não contrata, porque a gestão não dá conta, e aí como a gestão é incompetente, a gestão não contrata quem precisa, vai fazer uma licitação de quase R$ 500 mil, onde a gente está comprando até o papel, a régua e a caneta para a empresa que vai prestar o serviço.

Essa situação aqui realmente precisa ser olhada com outros olhos, porque meio milhão de reais é um dinheiro bastante significativo para aquilo que a própria prefeitura, com os seus servidores, deveria estar fazendo”, enfatizou o vereador Rodolfo Mota.

Deixe seu comentário